domingo, fevereiro 24, 2019

O Pintor Daniel Ridgway Knight




Daniel Ridgway Knight Nasceu em 15 de março de 1839, em Filadélfia, Pensilvânia nos EUA e faleceu a 9 de março de 1924 em Paris, França.




Estudou e exibiu seus trabalhos na Pennsylvania Academy of the Fine Arts, junto com seus colegas Mary Cassatt e Thomas Eakins.






Em 1861 foi para Paris estudar na L’Ecole des Beaux-Arts sob a orientação de Cabanel, sendo também aprendiz no atelier de Charles-Gabriel-Gleyre.




Voltou para Filadélfia em 1863 para servir no exército de união. Durante a guerra, Knight praticou esboços de expressões faciais tentando capturar a emoção humana na sua obra.




Em 1871, casa com Rebecca Morris Webster e depois do casamento, começou a trabalhar como pintor de retratos, a fim de ganhar dinheiro suficiente para regressar a França.




Em 1872, estabeleceu-se em França, e tornou-se amigo de Renoir, Sisley e Wordsworth cujas influências são sentidas no seu trabalho. Também manteve um relacionamento estreito com Meissonier.





Em 1875 pintou “Wash Day” seguindo um esboço de Meissonier, pelo qual recebeu aclamação por parte de crítica.




Knight também foi fortemente influenciado pelos trabalhos de Jean-François Millet.



Em 1874, numa temporada em Barbizon, foi visitar Millet e descobriu a sua queda pela vida do campo. Pintou a vida rural nos seus melhores momentos.





Outras influências importantes foram Bastien-Lepage, com quem é muito comparado e Jules Breton pelo estilo de pintura ao ar livre.




Os trabalhos de Daniel Ridgway Knight representam vários aspectos da pintura do século XIX, incluindo história, género, paisagens, retratos e temas florais.




Em cada trabalho tudo o que é estético é reproduzido nos seus menores detalhes e com maestria.



As obras de Knight entre os anos de 1870 e 1880 focaram-se na vida dos camponeses na realização de trabalhos do campo ou de tarefas do dia - a recolha de água ou lavar a roupa na beira do rio.




A sua pintura “Hailing the Ferry “ (Saudando o Ferry), pintada em 1888 e atualmente na coleção da academia de Pensilvânia das Belas Artes, mostra duas meninas camponesas a falarem com o barqueiro do outro lado do rio. Esta obra, considerada uma das obras-primas do artista, capta todos os elementos de seu período de pré-Rolleboise - a luz suave e cor, os números finamente detalhados e atenção aguda do artista ao detalhe.




Em meados da década de 1890, Knight estabeleceu-se numa casa em Rolleboise, a cerca de quarenta quilómetros a oeste de Paris.




Aqui, ele começou a pintar as cenas que eram para fizeram o seu trabalho ser tão procurado por colecionadores contemporâneos - visões do seu jardim.




A sua casa tinha um lindo jardim no terraço com vista para o Sena - uma visão muitas vezes utilizada nas suas pinturas. Colecionadores de todo o mundo disputavam estes trabalhos. Knight contou com as meninas locais como modelos para as suas telas de jardim.




Nas obras deste período incluem The Roses atualmente na coleção do Museu de Velocidade JB e O Letter no Art Museum Joslyn - sendo que ambos apresentam mulheres bonitas jovens cercadas por flora exuberantes.



Recebeu a medalha do Salão de Paris de 1888 por “Hailing the Ferry” e a medalha de ouro na exposição de Munich no mesmo ano.




Em 1889 foi agraciado com a medalha de prata da Exposição de Paris e recebeu a “Légion d’Honneur”, tornando-se oficial em 1914. Em 1896 recebeu a Grande medalha de honra da Pennsylvania Academy.




O seu filho, Louis Aston Knight (1873 – 1948), também é conhecido como um pintor de paisagens.




Fotos e Fontes: Wikipedia; http://rceliamendonca.wordpress.com/2010/06/16/daniel-ridgway-knight/; http://www.rehs.com/virtexdrk.htm; http://www.allartclassic.com/author_biography.php?p_number=206; outros




"Os espelhos são usados para ver o rosto; a arte para ver a alma." (George Bernard Shaw)

segunda-feira, fevereiro 18, 2019

FARÓIS em PINTURA


Pintura: Judy Gibson


Faróis .... uma luz que guia e encaminha para um porto seguro.


Pintura: Dennis P. Lewan

Pintura: Jerry Arnell

Pintura: Sun Kim

Pintura: Lucie Bilodeau


"Há pessoas que iluminam a nossa vida, assim como um farol numa noite escura." 
(António Ramos da Silva) 

Pintura: Rudi Reichardt

Pintura: Dennis P. Lewan

Pintura: Carl Valente

Pintura: Dennis P. Lewan


"A desconfiança é o farol que guia o prudente."
(William Shakespeare)

Pintura: Alan Giana

Pintura: Thomas Kinkade

Pintura: Thomas Kinkade

Pintura: Steve Sundram

Pintura: Michael Humphries

"A inteligência é o farol que nos guia, mas é a vontade que nos faz caminhar."
(Érico Veríssimo)


Pintura: Alan Giana

Pintura: Thomas Kinkade

Pintura: Dennis P. Lewan

Pintura: Dona Gelsinger

Pintura: Gina Femrite


Que todos tenham sempre a luz de um "Farol" a iluminar o seu caminho.

domingo, fevereiro 10, 2019

Jeff Rowland o PINTOR da CHUVA




Apreciando os dias de chuva do PINTOR inglês Jess Rowland.















Para conhecer melhor a obra deste brilhante artista poderá consultar o seu site pessoal "Jeff Rowland"




"Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol. Ambos existem; cada um como é." Fernando Pessoa

Topo